Meditação Caminhando no Labirinto - Parte 1

Meditação Caminhando no Labirinto – uma forma ocidental de meditar – Parte 1

Afonso Carlos Neves

Figuras de labirintos estão presentes nas mais variadas tradições culturais, com significados que giram em torno de processos de amadurecimento, crescimento, ritos de passagem, etc. Talvez os primeiros labirintos tenham sido as próprias cavernas pré-históricas onde foram encontradas as assim chamadas pinturas rupestres de mais de vinte mil anos atrás. Ressalve-se que ao falarmos nesses antigos labirintos podemos estar nos referindo tanto a labirintos tridimensionais, como também a imagens bidimensionais com significado similar.

Nas tradições ocidentais, os registros de labirintos iniciam-se nos Mitos Gregos, passando pelas menções de Heródoto no século V a.C. a respeito de ter conhecido um gigantesco labirinto no Egito.

No Cristianismo o primeiro registro de labirinto data do ano 325 em uma igreja do Norte da África. Seu uso nessa construção parece ter tido a finalidade de manter certo simbolismo sagrado, como em outras tradições.

Na Idade Média, nas grandes catedrais góticas, o labirinto passou a fazer parte da obra com valor simbólico e também fazendo parte da geometria sagrada da construção, estando representado no solo. Nesse tempo, o labirinto era chamado de “Caminho de Jerusalém” indicando seu sentido simbólico em relação a uma peregrinação simbólica ao local tido como o mais sagrado.

A partir do século XVII, com o início do período racionalista, foram colocados bancos nas igrejas e os labirintos foram quase esquecidos.

No início dos anos 1990 a psicóloga e teóloga americana Lauren Artress redescobriu o Labirinto de Chartres, na França, a partir de vários estudos feitos por ela mesma. Reproduziu essa imagem nos Estados Unidos, visando sua utilização como uma ferramenta de interiorização e meditação. A partir daí o uso do labirinto se espalhou pelas mais diversas organizações como universidades, escolas, igrejas, hospitais, prisões, etc.

Em instituições ligadas à saúde o labirinto tem sido útil para pessoas com doenças crônicas melhorarem por passarem a encarar sua doença de outra forma, por também ajudar a reforçar a adesão ao tratamento, e também por melhorar as condições de defesa do paciente a partir dele passar a ter uma atitude mais otimista e positiva.

Conheci o Labirinto em 1997 nos Estados Unidos e pude participar em 2001, em Chartres, de um evento com a organização Veriditas ligada a Lauren Artress, onde pudemos aprofundar essa atividade.

Em 2001 iniciamos o trabalho com o labirinto no Brasil, inicialmente no Hospital Geral de Pirajussara e depois em outros locais como, por exemplo, na Unifesp.

 

 

Cadastre-se em nossa News

Nome:
Email:

Online

Nós temos 14 visitantes online
VisitasVisitas473616